Rio de Frades | A mina e as lagoas

Rio de Frades-Lagoa

No passado domingo fui até à bela Serra da Freita (Arouca), mais propriamente a Rio de Frades à descoberta de lagoas para refrescar, neste dia em que o termómetro marcava 38º.

A ideia era tentar encontrar umas lagoas que existem depois de se atravessar uma mina de volfrâmio, de onde se extraíram e exportaram largas toneladas deste metal durante a 2ª Guerra Mundial, principalmente para as forças do Eixo para construção de material bélico.

Facilmente consegui dar com o destino mas encontrá-lo sem orientações prévias será difícil, pelo que deixo as indicações para que possam lá chegar também.

Rio de Frades

Como chegar?

Para desfrutar desta lagoa de águas cristalinas é necessário ir até à aldeia de Rio de Frades, que fica a cerca de 16 kms de Arouca.

Deixei o carro num pequeno largo que existe na aldeia e segui as indicações do PR6 – Caminho do Carteiro só para orientação, pois não é necessário fazer esse percurso para lá chegar. No entanto, posso dizer-vos que já fiz parte desse trilho e aconselho vivamente a fazê-lo!

Preparei-me para a subida e quando vi novamente, à esquerda, a placa que indica o Caminho do Carteiro, segui por aí, sempre a descer sem virar à direita na bifurcação.

Rio de frades

Rio de Frades

Continuei a descer e depois de passar pelos muros no caminho, um pouco mais à frente, segui pela direita e subi uns 2 metros até à entrada da mina. O caminho tem muitas pedras.

Rio de Frades

Assim cheguei à entrada da mina. Convém não esquecer a lanterna pois lá dentro não se vê absolutamente nada. Cuidado com a cabeça nalguns locais mais baixos e com as pedras no chão para não tropeçar!

Rio de Frades

No fim da mina virei à esquerda e poucos metros à frente lá estava à minha espera a pequena lagoa de água fresca e transparente. O acesso faz-se pelas pedras que a rodeiam.

Rio de Frades

Segundo ouvi dizer por algumas pessoas que passaram, se se continuar o curso da água irão aparecer mais lagoas. Não arrisquei em continuar pois teria de molhar as sapatilhas e aquele local já era tão belo que dificilmente iria encontrar melhor.

Para quem gosta de montanha e procura alguma tranquilidade longe da azáfama das praias, este poderá ser o destino ideal.

Gostaste da sugestão? Então vê também o trilho do Caminho do Carteiro.

Bons mergulhos!

Vê também:

7 comentários

  1. São sem dúvida locais maravilhosos. Recomendo, também uma visita às pedras parideiras.
    Minas de Rio de Frades e minas de Regoufe, dizem-me muito, porque na altura da exploração do volfrâmio o meu querido pai e meus tios ali trabalhavam para ganhar a vida. Foram tempos muito difíceis. A agricultura era de subsistência, trabalhava-se de sol a sol e pouco mais se ganhava do que o pouco que se comia.
    São, portanto, locais paradisíacos que felizmente se mantêm virgens, graças ao meritório trabalho dos Autarcas, em não deixarem degradar nem descaracterizar aquelas lindas e maravilhosas paisagens. O meu desejo de que desfrutem bem com bons passeios.

    1. Olá Luís, sem dúvida que o que ainda mantém estes espaços agradáveis de se visitar, além do esforço dos autarcas por mantê-los em bom estado, é o facto de também não serem muito frequentados e por vezes de difícil acesso. Prefiro mil vezes lugares como este do que praias recheadas. Por acaso nunca se proporcionou uma visita às pedras parideiras de que tanto já ouvi falar. Talvez numa próxima visita! Obrigada 🙂

Deixa o teu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.